29 de jan de 2012

Das lembranças terrenas...


O que serão dos domingos?
Das tardes na varanda?
Dos dedos de prosa 
que sua timidez permitia?

E as laranjas descascadas? 
Os biscoitos do guarda-roupas?
E o seu riso sapeca?
Não há mais...

Não há mais seus passos na cerâmica
Seu abraço de saudades
Aquele "até mais" da janela azul
Não há mais
a televisão alta
Os beliscões no tio
ou sua vigília para o nosso futuro
Não há mais você..

Mas saiba que existem lembranças
Marcas de seus passos 
Você não se perderá, 
Estará viva em nós que ficamos
A sua imagem doce e afável permanecerá
Lembraremos de ti e guardamos a certeza
de que, seja onde for, rezará por nós.

Abraços,
Muitos,
pela sua vida e agora pela sua eternidade!

5 de jan de 2012

Da insatisfação..


Nesse relógio que as horas conduzem
num instante um dia, tão logo o outro
Mal posso perceber que passa
é ligeiro para meus olhos
inaceitavel, leva meus dias
Leva-me sem querer
Querer,
talvez eu nem queira
talvez eu só queira
nada mais do que instantes
de saudades, de passado
Ver passando e não perder
em verso, em prosa
simplesmente viver
me sentir vivo, mais próximo
mais dependente,mais coisas que nem sei dizer