20 de jun de 2011

Da escrita


E eu fui assim
Meio que deixando meus dedos
Calejados , assustados, tristes pararem
Dei a eles um descanso
Fiz de meus pensamentos descaso
E larguei o papel...

Agora meu corpo são dedos
Eu sou o pensamento
E transmuto em ação
Escrevo-me nos traçados do destino
das linhas tortas que meus pés traçam no chão

Eu larguei o papel,
Mas meu gosto de escrever jamais se vai
Apenas deixei de lado dedos e linhas
para desenhar e escrever
Num papel azul, chamado vida...